Sexta-feira, 7 de Janeiro de 2011

O VERDADEIRO AMOR SEGUNDO WISLAWA SZYMBORSKA

O verdadeiro amor. É normal, é sério, é práctico?

O que é que o mundo ganha com duas pessoas que vivem num mundo delas próprias?

 

Colocadas no mesmo pedestal sem mérito nenhum, extraídas ao acaso entre milhões, mas convencidas que era assim que tinha de ser - em prémio de quê? De nada.

A luz desce de qualquer lado.

Porquê nestas duas e não noutras?

Não é isto uma injustiça? É sim.

Não é contra os princípios estabelecidos com diligência e derruba a moral no seu cume? Sim, as duas coisas.

 

Olha para este casal feliz.

Não podiam ao menos tentar esconder-se, fingindo um pouco de melancolia, por cortesia com os seus amigos?

Ouçam como riem - é um insulto a linguagem que usam - ilusoriamente clara.

E aquelas pequenas celebrações, rituais, as mútuas rotinas elaboradas - parece mesmo um acordo feito nas costas da humanidade.

 

É difícil prever a que ponto as coisas chegariam se as pessoas começassem a seguir o seu exemplo.

O que aconteceria à religião e à poesia?

O que seria recordado? Ou renunciado?

Quem quereria ficar dentro dos limites?

 

O verdadeiro amor. É mesmo necessário?

O tacto e o silêncio aconselham-nos a passar por cima dele em silêncio, como sobre um escândalo na alta roda da vida.

Crianças absolutamente maravilhosas nasceram sem a sua ajuda.

E ele chega tão raramente que nem num milhão de anos conseguiriam povoar o planeta.

 

Deixem que as pessoas que nunca encontraram o verdadeiro amor continuem a dizer que tal coisa não exixte.

 

Com essa fé será mais fácil para eles viver e morrer.

 

(Wislawa Szymborska)

 

  


publicado por TOZÉ BRITO às 20:55
link do post | favorito
partilhar

posts recentes

O VERDADEIRO AMOR SEGUNDO...

arquivos

Junho 2012

Fevereiro 2012

Novembro 2011

Outubro 2011

Agosto 2011

Abril 2011

Março 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

tags

todas as tags

subscrever feeds